5 maneiras de ser um líder de sucesso demonstrado pelos finlandeses

O que os finlandeses me ensinaram sobre produtividade durante uma pandemia.

Poucas semanas antes da pandemia, fui contratado como o primeiro presidente norte-americano da Reactor, o aclamado finlandês agência de tecnologia que recentemente se expandiu para os Estados Unidos. Eu estava animado para trazer minha energia distintamente americana para uma empresa escandinava. Rapaz, eu tinha uma surpresa.

Ligando de Los Angeles, onde eu estava ocupado me preparando para me mudar para Nova York enquanto me refugiava no local, Educação escolar em casa três filhos, e tentando vender nossa casa para nos mudarmos de volta para a Costa Leste, fui apresentado…à distância, claro– aos meus novos colegas, todos os 550 deles.

Em qualquer outra empresa, uma transição tão mal cronometrada provavelmente teria sido uma receita para o desastre: um novo presidente regional começando bem no meio de uma transição de toda a empresa para o trabalho remoto nunca é uma coisa boa. Em vez disso, descobri rapidamente que a maneira exclusivamente finlandesa de estruturar uma organização da Reaktor, com seu ambiente de trabalho aberto e solidário, fez meu início como executivo em uma nova empresa sem esforço – e altamente educacional.

Os insights que obtive dos finlandeses – insights que acredito serem agora mais relevantes do que nunca – contêm lições importantes para todos os líderes. Aqui estão algumas coisas que aprendi sobre liderança durante tempos difíceis com meus amigos finlandeses:

1. O medo de armamento acabou

Muitos líderes lideram com medo. Mas há medo suficiente no mundo como ele é. As pessoas estão preocupadas em perder seus empregos e sua saúde. Isso pode paralisar os funcionários, especialmente em uma organização que funciona ativamente com uma liderança baseada no medo.

Quando cheguei ao Reaktor, percebi imediatamente que podia cometer erros; que eu não precisava saber tudo logo de cara. Na Reaktor, informamos às pessoas que estão seguras. Isso, por sua vez, significa que todos são mais produtivos e mais capazes de se concentrar no trabalho em questão, o que agrega um enorme valor tanto para nossos clientes quanto para nossa organização. O que muitos líderes não percebem é que você pode estar em uma posição de liderança e ainda ser uma pessoa decente; essas coisas não são mutuamente exclusivas. Se você se concentrar primeiro nas pessoas, o resto se seguirá.

Este ano, em particular, solidificou a importância da liderança servidora. A maioria das empresas considera a servidão dos líderes um desperdício porque não aumenta a receita imediatamente e, para essas empresas, o dinheiro vem em primeiro lugar. Mas agora há um novo tipo de permissão, talvez até um requisito, para acima de tudo ser um líder servidor, para colocar as pessoas em primeiro lugar. Se os líderes não têm humildade e coragem ao não priorizar as necessidades de seus funcionários, isso significa que a capacidade de adaptação da empresa também é sufocada.

Estamos caminhando para um despertar coletivo. As pessoas logo terão muitas escolhas a fazer: quero trabalhar para uma empresa que prioriza o dinheiro e lidera pelo medo? Ou eu quero algo mais do trabalho da minha vida? É aqui que a liderança baseada no medo terá um tremendo custo e impacto negativo a curto e longo prazo – muito maior do que o impacto positivo que a liderança servidora e ser bom para seus funcionários jamais teriam.

2. Aprenda a pedir conselhos

Muitas vezes, ao tomar decisões, especialmente em organizações baseadas no medo, líderes e funcionários enfrentam a mesma velha pergunta: peço permissão ou perdão? De qualquer maneira pode ser espinhoso. Mas há também uma terceira e melhor opção, que é pedir conselhos.

Quando comecei na Reaktor, rapidamente percebi que ninguém precisava da minha permissão, mas muitas pessoas queriam meu conselho. A Reaktor é uma empresa auto-organizada onde equipas autónomas operam de acordo com um processo de aconselhamento. Não existem linhas rígidas de relatórios e, em vez disso, funcionários e equipes tomam decisões por conta própria, depois de buscar conselhos das pessoas da empresa mais experientes ou mais afetadas pelo assunto em questão. Embora haja muita liberdade nessa autonomia, ela também traz uma responsabilidade significativa.

Esse processo de aconselhamento é algo que percebi ser útil para qualquer pessoa em qualquer nível, em qualquer organização, mas especialmente para alguém em posição de liderança. O que descobri é que buscar conselhos permite que você obtenha vários pontos de vista sobre um problema (o que significa que você parece menos idiota quando toma sua decisão). E isso significa que as pessoas são muito mais propensas a expressar suas opiniões honestas para você, pois há menos medo envolvido. 

Ao buscar aconselhamento, você pode tomar decisões mais informadas, que levam em consideração todos os aspectos envolvidos, dando a você uma visão mais ampla do impacto potencial. Você ainda tem a liberdade de tomar essa decisão final, mas também é responsável perante a empresa e as pessoas de quem procurou aconselhamento.

Procurar aconselhamento é particularmente útil para acelerar a formação de relacionamentos. Isso é especialmente importante no trabalho remoto. Há uma poderosa vulnerabilidade em jogo quando você pede conselhos a alguém. E quando as pessoas oferecem esse conselho, isso permite que você, como líder, as veja sob uma nova luz: apreciar o tipo de pessoa que elas são e ver como elas pensam. Isso, por sua vez, torna possível colocar suas habilidades em uso ainda melhor. Funciona nos dois sentidos: buscar conselhos como líder permite que você transforme o que normalmente seria um monólogo interno de como abordar ou resolver uma situação em um diálogo externo, sem a preocupação de ser julgado.

3. Valores compartilhados vencem as declarações de missão

Ao navegar em um ambiente social e de negócios complexo, como o que estamos agora, decisões novas e difíceis podem surgir diariamente. Isso pode criar medo em líderes e funcionários. Diretrizes compartilhadas, no entanto, mantêm todos no caminho certo e o medo sob controle.

Em vez de contar com uma declaração de missão (que muitas vezes se torna tão difusa que pode representar qualquer coisa, ou, inversamente, tão prescritiva que amarra as mãos de todos e suga a vida do trabalho de todos), é melhor criar e seguir um conjunto de valores. Os valores inspiram a responsabilidade muito mais do que uma declaração de missão pode, porque os valores são orgânicos. Quando a equipe se reúne para escrevê-los, eles concordam com esses valores e começam a colocá-los em prática. Também facilita o recrutamento: quando cheguei à Reaktor, soube instantaneamente, por causa de nossos valores compartilhados, que eu me encaixava bem na empresa e que poderia prosperar na comunidade aqui.

É importante notar que os valores não são para os fracos de coração: eles são como levantar um espelho e dar uma boa e honesta olhada em si mesmo. E então retornar ao mesmo espelho uma e outra vez. Os valores são um guia para todo o trabalho que acontece dentro de uma organização, uma espécie de verificação constante da realidade.

Idealmente, esses valores não deveriam ser novidade para ninguém: eles deveriam crescer organicamente a partir do grande trabalho que já está sendo feito na empresa. Os valores são como o bambu – forte, mas flexível – e, quando claramente definidos, podem ser ainda mais robustos na orientação das decisões e na direção final do negócio. Os valores tornam mais fácil para os líderes dar aos funcionários a autonomia total de que precisam para realizar seu trabalho com eficiência.

4. Mova a autoridade de tomada de decisão para baixo no organograma

Para ser bem-sucedida, uma empresa precisa de pensadores independentes, não de pensamento de grupo. É também por isso que a tomada de decisão autônoma das equipes é tão importante. Algumas empresas temem que, se a tomada de decisões não for centralizada, todo o controle será perdido. Mas a realidade é bem o oposto. Contanto que você tenha contratado as pessoas certas com os valores certos, essa maior responsabilidade em termos de tomada de decisão permitirá que essas pessoas identifiquem e resolvam problemas muito mais rapidamente e façam um trabalho mais significativo.

Os clientes agora também priorizam o valor, e a melhor maneira de uma empresa fornecer esse valor é com soluções personalizadas. Muitas empresas operam de forma simples, em que a prioridade é dimensionar o produto ou serviço o mais longe possível e o mais rápido possível. Esse pode ser um modelo lucrativo, e definitivamente era antes deste ano. Mas à medida que o consumo cai em toda a economia, as empresas precisam melhorar a criação de valor. Isso significa que a liderança não pode ser removida em algum lugar distante da ação real – especialmente quando a maior parte do trabalho é feito remotamente. 

Agora, mais do que nunca, equipes e funcionários precisam ter o poder de tomar suas próprias decisões sobre seu próprio trabalho. Isso significa que os líderes devem deixar de lado sua necessidade de controle e assumir uma posição de servidão. É a única maneira de criar um impacto real, tanto na empresa quanto na sociedade em geral.

5. Tudo é hiperglobal

As coisas estão começando a se contrair em todo o mundo, então as organizações precisam trabalhar de forma que possamos reagir a essas mudanças em nível global e direcionar os recursos para onde eles são mais necessários. Essa é outra maneira de criar valor.

Não é tanto offshoring, mas sim aproveitar o talento que você já tem ou o novo talento disponível em lugares que você pode não ter sido capaz de utilizar no passado. As empresas globais que trabalham em uma configuração de vários locais, como a nossa, podem alcançar um nível totalmente novo de trabalho interdisciplinar e produtividade por meio do pensamento global. Por exemplo, nosso escritório na América do Norte oferece suporte e é apoiado por todos os outros escritórios regionais, em Helsinque, Tóquio, Dubai e Amsterdã. Estamos todos buscando conselhos uns dos outros, aproximando as decisões de onde o trabalho acontece e pensando mais globalmente. Essa mentalidade também combina com o pensamento de nossos clientes.

Ter essa rede de suporte mundial significa que nunca estamos sozinhos. Para mim, eliminou qualquer medo de começar em uma nova empresa e me permitiu ir direto ao trabalho em si.


© Inc. 2020

https://www.inc.com/mark-cibort/five-ways-covid-19-changed-leadership-forever.html/rel

Artigos relacionados

Respostas

Português do Brasil