Como a empatia se tornou o novo símbolo de status de CEO

O coaching já foi da competência dos líderes mais poderosos ou daqueles em apuros. Agora é uma ferramenta para todos os CEOs que procuram melhorar a si mesmos.

POR PAVITHRA MOHAN

Megan O'Connor, cofundadora e CEO da startup de educação Clark, teve seu primeiro gosto pelo coaching profissional quando ingressou no estúdio de startups Human Ventures. “Às vezes você faz essas coisas porque acha que deveria”, diz O'Connor, “como conseguir um treinador ou ouvir o podcast de Reid Hoffman”.

Mas as reuniões com seu treinador acabaram sendo surpreendentemente perspicazes. “O que [o coaching] realmente produziu superou em muito minhas expectativas”, diz ela. “Sou um evangelista para isso agora.”

Por um tempo, o coaching executivo era uma solução corretiva para empresas que precisavam acertar o navio ou o alcance dos CEOs mais influentes. O falecido Bill Campbell, por exemplo, treinou figuras como Steve Jobs e Larry Page. “Coaching costumava ser uma coisa ruim”, diz Alex Pascal, fundador e CEO da startup de software de coaching CoachLogix. “Agora, se você não conseguir um treinador, você meio que não quer mais o emprego.” À medida que mais capitalistas de risco pregam o valor do coaching, uma sessão de coaching de um dia organizada por um investidor pode ser uma porta de entrada para o coaching em tempo integral, mesmo para o fundador relutante. “Muitos de nós já trabalhamos dentro e ao redor de startups e vimos em primeira mão culturas ótimas e não tão boas”, diz Laurel Woerner, que ajudou a montar um programa de coaching em grupo na RRE Ventures. “A liderança pode fazer ou quebrar uma empresa, independentemente de quão grande seja a tecnologia ou qual seja a oportunidade de mercado.”

Líderes de todos os tipos têm se voltado cada vez mais para o coaching, às vezes por insistência de investidores que viram lideranças fracas e culturas de trabalho tóxicas acumularem avaliações altíssimas em várias empresas (a mais recente sendo Nós trabalhamos). Longe vão os dias em que as pessoas idolatravam o CEO implacável perpetuamente escondido em seu escritório de canto. “Algumas pessoas pensam que você precisa ter uma personalidade louca para ser um fundador, ou tem que ser um pouco excêntrico”, diz a sócia fundadora e CEO da Human Ventures, Heather Hartnett. Digite o CEO afável que se senta entre seus funcionários e tem uma política de portas abertas.

A indústria de coaching de negócios está a caminho de valer $15 bilhões este ano, de acordo com o IBIS World, em comparação com pouco mais de $9 bilhões de volta em 2009. Agora, um coach é uma parte significante de prestígio e uma parte ferramenta de auto-otimização – o objetivo é se tornar um líder melhor, certamente, mas também uma versão mais empática e introspectiva de si mesmo. “Foi popularizado por podcasts e alguns coaches que são [conhecidos] na mídia”, diz a coach executiva Alisa Cohn, que trabalhou com empresas como Venmo e Etsy. “Eu diria que é um privilégio e, em alguns casos, um símbolo de status.”

E não são apenas CEOs e executivos que buscam orientação. Embora o coaching não seja barato – muitos cobram dezenas de milhares de dólares por apenas alguns meses – organizações como Bravely e BetterUp estão democratizando-o, expandindo o coaching para além das fileiras executivas a um preço mais baixo. À medida que as trajetórias de carreira mudaram, os trabalhadores da geração do milênio investem especialmente em seu desenvolvimento pessoal e de carreira, quer isso signifique rastreando o sono ou procurar um treinador. “Os millennials tendem a ser muito orientados para o desenvolvimento”, diz Pascal. “Você quer pensar em sua carreira de forma proativa. Não estamos mais nesta fase em que você terá uma carreira de 50 anos em uma empresa.”

O VALOR DO TREINAMENTO

Alguns fundadores e CEOs podem recorrer ao coaching quando se deparam com um obstáculo específico ou algum tipo de conflito interpessoal – muitas vezes, drama em seus cargos executivos. “Em um ambiente de startup, há muito atrito com as pessoas com quem você trabalha – é apenas a natureza do ambiente em que você está”, diz Pascal. “Os fundadores simplesmente não têm tempo ou ferramentas para diagnosticar adequadamente o que está acontecendo.”

Em outros casos, o catalisador é a mudança: um novo CEO pode estar lutando para se ajustar ao seu novo papel. Para O'Connor, a consultoria com Peter Shallard, sócio de empreendimentos e coach interno da Human Ventures, foi uma parte fundamental de como ela lidou com a recente aquisição de sua empresa. “Quando você está passando por uma aquisição, as coisas mudam dia a dia, ou mesmo hora a hora”, diz ela. “[Peter] surfou a onda comigo. Fizemos atualizações diárias, mesmo que fosse apenas no Slack.”

Muitos CEOs e fundadores estão simplesmente sobrecarregados e procurando uma zona livre de julgamento. Um capitalista de risco está literalmente investido em um fundador, assim como um cofundador; um cônjuge ou amigo pode não ter contexto. Um bom coach pode ser imparcial e combinar conhecimento de negócios com inteligência emocional. “É aquela sensação de 'oh meu Deus, não posso fazer tudo isso sozinha'”, diz Amy Eliza Wong, que se descreve como coach de vida e coach executiva. “Às vezes, é apenas o estresse de administrar uma empresa e se preocupar que eles nem conseguem identificar quais são as coisas importantes.” Algumas fundadoras, diz Wong, a procuram com questões específicas sobre como elas são percebidas como líderes femininas. O refrão mais comum? “Preciso de ferramentas para parecer assertivo sem ser mal-intencionado.”

Quando se trata disso, o que a maioria dos líderes realmente procura é aprofundar sua empatia e melhorar suas habilidades de comunicação. As mesmas habilidades que podem tornar um líder bem-sucedido do ponto de vista comercial — ser implacável e intransigente — podem não promover relacionamentos saudáveis com os funcionários ou garantir o sucesso de longo prazo de uma empresa, especialmente no local de trabalho de hoje. (A dura abordagem de Jobs, por exemplo, pode não ser palatável em 2019.) 

Além disso, como Shallard observa, há um argumento comercial para a empatia, mesmo além dos méritos de um ambiente de trabalho positivo. “A empatia é uma das habilidades de mudança de jogo mais subestimadas que qualquer pessoa pode ter, mas certamente para os empreendedores é absolutamente crítica”, diz ele. “Uma das razões pelas quais eu acho que a empatia é tão importante é porque ser capaz de atingir o product-market fit em uma startup em estágio inicial tem muito a ver com a habilidade de um fundador de se colocar no lugar dos clientes e se perguntar: 'O que essa pessoa se importa com isso eu não? O que essa pessoa quer que eu não quero?'”

 Este caso de negócios também explica por que os investidores estão investindo seu dinheiro em coaching – oferecendo uma sessão introdutória interna, por exemplo, ou fornecendo aos fundadores um grupo de coaches aprovados. Na Human Ventures, isso toma a forma de um “acelerador de autoconsciência” conduzido por Shallard. “A coisa número um que destrói empresas em estágio inicial e de rápido crescimento é a arrogância, vieses cognitivos e pontos cegos”, diz Shallard. “O fundador não sabe realmente como seu próprio cérebro funciona.”

Mesmo os líderes com um cofundador se beneficiam de um coach, diz Hartnett, talvez até mais do que os fundadores únicos. É aí que o trabalho de Shallard como coach valeu a pena, literalmente – ao mitigar as consequências financeiras quando os cofundadores seguiram caminhos separados. “Peter tem sido fundamental na identificação de problemas com cofundadores antes mesmo que eles soubessem que algo estava por vir”, diz Hartnett.

O QUE O COACHING IMPLICA

Para ter uma noção do conjunto de habilidades de um cliente, muitos coaches começam com algum tipo de avaliação, como uma avaliação de personalidade ou revisão 360, que envolve a coleta de feedback de outros funcionários. “Sou um grande fã da psicologia baseada em evidências”, diz Shallard. “Uma das áreas onde há um enorme corpo de pesquisa e literatura é o sistema de traços de personalidade dos Cinco Grandes. Então, essa é uma ferramenta na qual confiamos muito.” Shallard diz que a avaliação do Big Five também ajuda os fundadores a entender melhor os relacionamentos passados. “Passo muito tempo com esses fundadores falando sobre sua história e como as coisas aconteceram no passado, porque normalmente essa não é a primeira coisa que eles estão fazendo”, diz ele.

Os coaches da RRE Ventures fazem um tour de escuta nas empresas dos fundadores e incentivam os fundadores a escrever um “manual do usuário” detalhando, por exemplo, seus hábitos de trabalho ou as coisas que os incomodam. “A ideia é que você escreva um manual do usuário para si mesmo, da mesma forma que faz para uma máquina de lavar, diz Woerner. “Tivemos pessoas voltando para suas equipes internamente e fazendo os mesmos exercícios.” Liz Tran, fundadora do estúdio de coaching executivo Reset, usa o Hogan Personality Inventory, uma avaliação que avalia e pontua pontos fortes e fracos, juntamente com os principais motivadores e valores. 

Uma das características mais elogiadas do Chief, um clube privado para mulheres executivas, é seu Core Group – coaching de pares que ela descreve como “coaching executivo com esteróides”. Como Tran, a cofundadora-chefe e CEO Carolyn Childers descobriu que um relacionamento individual por si só não era suficiente porque um coach nem sempre podia ter o contexto necessário. “Há um coach executivo na sala, então você ainda recebe o elemento de coaching e alguém para facilitar isso, mas você também tem até 11 outras pessoas naquela sala que entendem seu contexto”, diz ela. Empresas de capital de risco como a RRE Ventures também descobriram que os empreendedores respondem bem ao coaching em grupo por esse motivo. 

Outras organizações, como a Collective Gain, adotam uma abordagem pouco ortodoxa ao coaching, incorporando até mesmo workshops de astrologia em seu trabalho com empresas. “No final desses [workshops], as pessoas dizem que se divertiram e aprenderam algo sobre si mesmas”, diz Lizzie Alberga, fundadora e CEO da organização de coaching Collective Gain. “[Até] os executivos dizem que têm um respeito totalmente novo por astrologia e como ela pode ser estratégica no local de trabalho.”

Jonathan Fader, um psicólogo clínico que costumava trabalhar principalmente com atletas, conta com uma técnica chamada entrevista motivacional. “O que as pessoas tendem a fazer é dizer [aos clientes] o que eles precisam mudar e como fazê-lo. Isso realmente não funciona porque não há conectividade, empatia e engajamento.” A entrevista motivacional, por outro lado, ajuda as pessoas a chegarem a suas próprias conclusões sobre o que precisam fazer de forma diferente. Em seu trabalho com CEOs, Fader frequentemente contrata atores para representar cenários com seus clientes. “O processo é que o líder gera uma vinheta com base em um ponto problemático ou em um ponto de atrito, ou com base em algo que ele só quer melhorar”, diz Fader. “Então eu treino o ator para retratar isso. Meu feedback é útil, mas quase às vezes é mais útil obter feedback do ator.”

Como CEO, esse tipo de feedback personalizado pode ser difícil de obter, a menos que você o peça explicitamente. “As pessoas mais motivadas querem trabalhar em si mesmas”, diz Karson Humiston, CEO da Vangst, uma plataforma de recrutamento para empregos de cannabis. “Mas você só pode ler tantos livros que são tão generalizados. O coaching é tão específico para você.” 

Quando Humiston conseguiu um treinador, um dos passos iniciais foi uma revisão 360º. Humiston pediu a seus funcionários que fossem “brutalmente honestos”. “Eu disse, 'Diga-me todas as coisas que eu sou péssima, e eu vou trabalhar nelas'”, ela diz. “As pessoas foram honestas. Eu amei. Como fundador, você tem todas essas pessoas trabalhando para você e está dando a elas avaliações de desempenho, mas ninguém nunca lhe dá feedback.” À medida que sua empresa cresceu - de 20 pessoas há dois anos para mais de 80 hoje - o coaching provou ser útil para comunicar mudanças internamente aos primeiros funcionários. “Conselheiros e investidores podem ajudá-lo a se conectar com talentos incríveis”, diz Humiston. “Um treinador pode ajudá-lo a enquadrar a história para a equipe sobre as pessoas que você está trazendo.”

Alguns fundadores, ela diz, cometem o erro de contratar um coach apenas para marcar uma caixa. Para obter o máximo possível da experiência, ela diz, exigiu um compromisso significativo de sua parte. “Depende tanto de mim dedicar tempo e energia a esse relacionamento quanto do treinador”, diz Humiston. “Eu realmente coloquei tudo para fora. Convidei o treinador ao escritório para conhecer a equipe; Fiz vários jantares com ela. Eu disse: 'Se estamos fazendo isso, eu realmente quero que você me conheça o melhor que puder'.” O fato de ela ter investido tempo e dinheiro em coaching reforçou a boa vontade de seus funcionários, diz Humiston. “Várias pessoas da equipe me disseram que apreciam o que estou fazendo”, diz ela. “Envia uma mensagem de que você aceita que não sabe tudo.”

Também mostra a seus funcionários que ela quer ouvi-los e entender sua perspectiva – uma chave para abrir linhas de comunicação e construir empatia. “Você não pode sentir empatia por alguém se não tiver uma conexão com eles”, diz Alberga. “É algo que você sente ouvindo, sendo curioso, aparecendo e estando presente sem sua própria agenda. Só então você constrói a conexão. Se você é um executivo que está apenas procurando como conduzir o negócio e não se conectando com seu pessoal, não pode ter empatia.”

Muitos dos exercícios e ferramentas que os coaches têm em seu arsenal – mesmo aqueles que podem parecer um pouco extremos – estão, em última análise, em busca de cultivar a empatia em um fundador, seja direcionado à sua equipe executiva ou, no caso de uma grande Fortune 500 empresa, subordinados que eles podem nunca conhecer. É ainda mais importante porque os CEOs geralmente estão sozinhos no topo, um ponto que todos com quem falei citaram como um catalisador para o coaching. “É difícil ser honesto sobre a montanha-russa em que você está”, diz Sean Black, fundador e CEO da startup imobiliária Knock. “É um pouco mais fácil quando esses treinadores podem absorver um pouco disso.” 

É por isso que Shallard recomenda que os fundadores cultivem outros relacionamentos significativos. “O maior desafio que os empreendedores enfrentam é provavelmente o isolamento”, diz Shallard. “Muitas pessoas chegam a isso com a suposição de que 'tenho que fazer isso sozinho'. Aconselho meus clientes a empilhar o maior número possível de relacionamentos como o meu.”

O coaching pode ser uma forma de seguro para os investidores, especialmente considerando a trajetória esperada das startups apoiadas por venture capital. Mas também é um reconhecimento do aumento das pressões sobre os líderes – e uma intolerância crescente ao mau comportamento. “É uma grande responsabilidade”, diz Hartnett. “Quando você tem uma empresa em rápido crescimento, agora você precisa estar ciente de muito mais. Você não pode se safar com algumas das coisas que as empresas podiam fazer antes do #MeToo, antes de alguns dos problemas ambientais que estamos enfrentando. Só vai ser uma responsabilidade cada vez maior.

A EVOLUÇÃO DO COACHING

Claro, colher os benefícios do coaching depende de encontrar alguém que seja o ajuste certo. Isso pode ser complicado, pois o espaço de treinamento não é regulamentado. (Alguns coaches são certificados por organizações como a International Coach Federation.) Ao contrário da psicoterapia, “não há exigência de ser um coach”, diz Eric Pliner, CEO da empresa de liderança YSC Consulting. “Você poderia desligar esta ligação e dizer que gostaria de ser um coach executivo. Portanto, sem um design real em torno do objetivo do coaching e vinculando-o aos objetivos de negócios, pode parecer uma proposta arriscada ou menos valiosa.”

À medida que a demanda por coaching aumentou, também aumentou a oferta. Não faltam coaches, quer você esteja procurando aconselhamento sobre uma transição de carreira ou buscando ajuda mais específica na resolução de conflitos. Muitos treinadores com quem conversei admitem que o espaço está saturado e que aqueles que procuram treinamento devem ser perspicazes e entender que podem não encontrar uma partida logo de cara. 

A falta de regulamentação significa que os treinadores negoceiam experiência e clientela e muitas vezes encontram negócios por meio de referências. O ex-capitalista de risco Jerry Colonna, por exemplo, é um dos treinadores mais procurados para o conjunto de tecnologia. “É claro que eu queria contratar [Jerry], assim como todo mundo”, diz Black. “Nós não conseguimos pegá-lo por meses, então isso nunca aconteceu.”

Fundadores e CEOs tendem a gravitar em torno de coaches executivos em vez de coaches de vida, embora cada coach ofereça uma abordagem personalizada. “Se for um coaching executivo estrito, você está treinando um líder para atingir certos objetivos de negócios ou metas organizacionais – eles os usarão como medidas de sucesso”, diz Wong. Mas para atingir esses objetivos, ela diz, você pode usar algumas das mesmas técnicas que usaria com um coaching de vida mais holístico, por exemplo. “O coaching executivo e o coaching de vida podem realmente parecer muito semelhantes.”

Mesmo dentro do coaching executivo, a abordagem pode variar muito dependendo do coach em questão. “Campbell tinha um modelo do Vale do Silício com infusão de testosterona”, o investidor Fred Wilson contou Com fio, comparando o estilo de treinador de Campbell - informado por seus anos treinando futebol universitário - ao de Colonna. “O modelo de Jerry é mais budismo e menos futebol.” O CEO da Gimlet Media, Alex Blumberg, um dos clientes de Colonna, descreveu-o como woo-woo em um episódio recente de seu podcast, Sem Falha. “O woo-woo-ness de Jerry assume muitas formas”, disse Blumberg. “Ele organiza retiros de executivos onde não é incomum que os participantes brinquem com argila ou conversem com plantas ou leiam poesia em voz alta uns para os outros. E chorar. Há muito choro.”

A explosão da indústria fala do fato de que o coaching não é um tamanho único. Tran começou seu próprio estúdio de coaching depois de concluir que não havia coaches suficientes com o tipo certo de experiência – sua lição de trabalhar com inúmeros coaches na empresa de capital de risco Thrive Capital. “Acho que muitas pessoas vêm para o coaching porque também estão trabalhando em sua própria história de crescimento pessoal”, diz Tran. “Este é o arquétipo que eu via muito com os treinadores: 'Eu estava fazendo esse trabalho no Google e fiquei muito esgotado, então comecei a cuidar do meu bem-estar pessoal e depois decidi me tornar um treinador.' ” 

Isso pode funcionar para algumas pessoas, mas para os fundadores, Tran acredita que ajuda se um coach tiver um certo tipo de experiência – seja um empreendimento empresarial ou experiência operacional – e distância de sua própria jornada de carreira. “Acho que é muito, muito difícil treinar alguém a menos que você tenha experiência prática ou tenha treinado pessoas nessa área”, diz Tran.

Quem quer que seja o seu treinador, O'Connor diz que o mais importante é estar comprometido com o processo. “Minha mãe uma vez me disse: 'Nunca namore um homem que não está fazendo o trabalho, também conhecido como terapia, conhecendo a si mesmo'”, diz ela. “Eu diria a mesma coisa para as pessoas no mundo das startups. Não invista ou trabalhe para alguém que não está fazendo o trabalho.”


Pavithra Mohan é editora assistente da Fast Company Digital. Sua escrita já foi apresentada no Gizmodo e na revista Popular Science.

© Fast Company 2019

https://www.fastcompany.com/90419047/how-empathy-became-the-new-ceo-status-symbol/rel=”canonical”

Artigos relacionados

Respostas

  1. Como líder de negócios, ter um coach é inestimável, pois pode ser muito solitário no topo. Ajuda ter sua caixa de ressonância pessoal para expressar medos e preocupações, resolver problemas ou liberar novas ideias.

Os comentários estão desativados.

Português do Brasil