Por que falhar rápido é fundamental se você quiser vencer

Um novo estudo analisou a diferença entre como vencedores e perdedores lidam com uma falha inicial – e por que falhar rapidamente é um preditor para o sucesso final.

POR STEPHANIE VOZZA

O velho ditado diz: “Se no começo você não conseguir, tente, tente novamente”. Mas quantas tentativas você deve tentar antes de jogar a toalha e admitir a derrota? Um novo estudo da Kellogg School of Management da Northwestern University intitulado “Quantificando a dinâmica do fracasso em ciência, startups e segurança” descobriu que como você falha (e tenta, tenta novamente) determina se você eventualmente terá sucesso. Acontece que após um fracasso inicial os caminhos divergem, e há uma diferença no comportamento de vencedores e perdedores.

“Esta é uma questão crucial porque, em nossa sociedade obcecada pelo sucesso, o fracasso é onipresente; quase todos os vencedores começam como perdedores”, diz Dashun Wang, professor associado de gestão e organizações e principal autor do estudo. “Se você pode entender como as pessoas falham repetidamente e eventualmente conseguem, você pode identificar um futuro vencedor enquanto essa pessoa ainda é um perdedor.”

Wang e sua equipe examinaram três conjuntos de dados distintos: pesquisadores em busca de subsídios, empresários e terroristas. Ao rastrear suas tentativas, os pesquisadores foram capazes de avaliar as características daqueles que eventualmente alcançaram o sucesso em comparação com aqueles que continuaram a falhar.

“Se olharmos para a dinâmica humana, existem duas maneiras básicas de pensar por que você falha: um modelo de chance e um modelo de aprendizado”, diz ele. “Percebemos rapidamente que esses modelos simples não oferecem a resposta. Acaba sendo uma previsão muito complexa.”

O que, em última análise, determina o caminho do indivíduo é a extensão em que eles aprenderam com os fracassos anteriores e como aplicaram esse conhecimento no futuro. Se alguém usar as lições para melhorar as tentativas futuras, isso pode levar ao sucesso final. No entanto, se alguém tiver poucas tentativas fracassadas ou não conseguir incorporar as lições, estará no caminho do fracasso permanente.

AS LIÇÕES DO FRACASSO

O fracasso é uma experiência que dá a uma pessoa duas vantagens: experiência e feedback. “Se você já fez algo no passado, você tem experiência e pode começar de novo sem ter que começar do zero”, diz Wang. “Você provavelmente terá alguma noção do que funcionou e do que precisa ser melhorado, que é o feedback. Se você for capaz de incorporá-lo com sabedoria, o feedback é bastante útil.”

Usando uma fórmula matemática que atribui o número de tentativas como K, Wang descobriu que o número de experiências passadas pode afetar o sucesso, mas apenas quando a pessoa usa o feedback e adiciona um elemento de velocidade.

“Se K é zero, é um modo de chance, e se K é infinito, é um modelo de aprendizado”, diz ele. “O interessante é que se você variar K, todo o processo se torna não contínuo, mas altamente descontínuo. Parece que aprender um pouco com o passado é melhor do que não aprender nada, mas isso não é verdade. Se você aprende um pouco com o passado, mas não o suficiente, é como não aprender nada.”

A IMPORTÂNCIA DA VELOCIDADE

Wang descobriu que há um limite de tentativas que você deve cruzar para prever o sucesso, e ele compara isso ao ponto em que a água se transforma em gelo. “O limiar crítico é de 0,1 grau”, diz ele. “Está falhando cada vez mais rápido para eventualmente ter sucesso.”

A ideia de falhar rápido é comum no Vale do Silício, onde as pessoas geralmente são bem-sucedidas quando falham cada vez mais rápido. Wang diz que você pode identificar um vencedor e um perdedor observando a qualidade de seus fracassos.

“Se você tem duas pessoas que falham 10 vezes e uma desiste e outra tenta e consegue 11 tentativas, o pensamento tradicional é que a última tentativa fez a diferença”, diz Wang. “O que os dados mostram é que é possível dizer muito cedo pela dinâmica distinta dos dois grupos. Muitos outros fatores podem determinar se alguém terá sucesso, mas apesar da complexidade do cenário do mundo real, se usarmos apenas a atual trajetória de falha, podemos alcançar um respeitável poder preditivo.”

Falhar rápido não é apenas prescritivo; é diagnóstico, diz Wang. “Se você não está falhando cada vez mais rápido, você está em uma região de estagnação e não está obtendo feedback suficiente para formar uma melhoria inteligente”, diz ele.

Quando você tenta novamente, é importante incorporar o feedback, mas não exagere, diz Wang. “Foque diretamente no que precisa ser melhorado”, diz ele. “A ironia aqui é que as pessoas que falharam na região da estagnação não trabalharam menos; fizeram trocas desnecessárias, jogando o bebê [fora] junto com a água do banho. Use o feedback para saber o que precisa ser melhorado, mas retenha o que funcionou bem.”

© Fast Company 2019

https://www.fastcompany.com/90431157/why-failing-fast-is-critical-if-you-want-to-eventually-win/rel=”canonical

Artigos relacionados

Respostas

Português do Brasil